Nova gasolina chega em agosto e será mais cara, porém mais eficiente

A partir de 3 de agosto, toda a gasolina vendida nos postos do Brasil será de melhor qualidade, seguindo padrões semelhantes aos dos Estados Unidos e de países da Europa. A vantagem, porém, terá um custo: o preço da gasolina vai subir. Isso vai acontecer por causa do melhor desempenho do combustível, segundo especialistas em energia. A Petrobras informa que o acréscimo no valor será compensando com o maior rendimento dos automóveis, que passarão a rodar mais quilômetros com a mesma quantidade de gasolina. A redução do consumo será de 4% a 6%, destaca a estatal – a mesma média percentual estimada por especialistas para o aumento do litro.

Além de render mais, o novo padrão imposto pela Agência Nacional do Petróleo e Biocombustíveis (ANP) deve dar mais longevidade aos automóveis, diminuindo os custos com manutenção e reposição de peças. A Petrobras informou que não estipula o custo ao consumidor e diz que é responsável “por apenas 28% do preço final da gasolina nos postos de serviço”. Segundo a estatal, a maior parte do valor é composta por impostos, o preço do etanol misturado no combustível e a margem de lucro das distribuidoras e revendedoras. A conta também leva em consideração a cotação do barril de petróleo no mercado internacional, o custo de transporte e a variação do câmbio.

Um levantamento feito pela Argus Media, organização internacional de estudo e análise do comércio de commodities, mostra que o litro da nova gasolina era negociado no iníco deste mês cerca de R$ 0,06 mais caro em relação à gasolina atual. Uma pesquisa realizada em junho com refinarias dos EUA e distribuidoras brasileiras apontou uma estimativa de aumento entre R$ 0,06 a R$ 0,10, por litro na importação. “O aumento acontece porque a nova especificação usa componentes mais caros no mercado internacional para atingir os padrões técnicos”, afirma Amance Boutin, especialista de combustíveis para o mercado brasileiro da Argus.

 

 

Jovem Pan

Quinca Remígio

Formado em jornalismo pelas Faculdades Integradas de Patos-PB (FIP) e radialista na Escola Técnica de Sousa-PB pelo Sindicato dos Radialistas da Paraíba.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *